Seu navegador não suporta JavaScript!

MPT cobra ações contra trabalho infantil em Santa Maria da Boa Vista

Ações

MPT Notícias

Filtro

Filtre matérias por:

Instruções de busca

Escolha qualquer combinação dos argumentos acima para encontrar Matérias do MPT posteriores à 21 de maio de 2015. Para matérias anteriores utilize as opções de ano/mês de Arquivo..

12/09/17 MPT em Pernambuco

MPT cobra ações contra trabalho infantil em Santa Maria da Boa Vista

Prefeitura não implementou providências constantes no termo de ajustamento de conduta firmado em 2014

O Ministério Público do Trabalho em Pernambuco (MPT-PE) pediu a implementação imediata de ações contra o trabalho infantil pelo município pernambucano de Santa Maria da Boa Vista, localizado a 611km de Recife. A prefeitura da cidade assinou, em 2014, um termo de ajustamento de conduta (TAC) junto ao MPT em Pernambuco, comprometendo-se a tomar uma série de providências voltadas ao combate do trabalho infantil. Até o momento, no entanto, as medidas não foram implementadas. O não cumprimento do acordo fez do município alvo de ação judicial de execução.

Segundo a procuradora do Trabalho Vanessa Patriota, em inspeção realizada em fevereiro de 2017, ficou registrado que o município não vem cumprindo os compromissos firmados em 2014. Entre eles estes compromissos estão: garantir verba suficiente para o combate ao trabalho infantil; coletar dados estatísticas das crianças em situação de trabalho junto ao Conselho Tutelar; revitalizar e manter em funcionamento o Centro de Convivência do município; e realizar campanhas de conscientização da opinião pública sobre o tema.

De acordo com o Sistema de Informações do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SISC), dos 891 usuários ativos no referido sistema, 511 estão identificados em situação de trabalho infantil. As atividades desempenhadas se concentram na agricultura, trabalho doméstico, cuidador de animais, babá e trabalho com artesanato.

Conforme dados extraídos do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI), em 2015, o Projeto Fulgêncio, realizado na cidade, contava com 115 crianças em situação de trabalho infantil; Área Ribeirinha estava com 31 crianças; Área de Assentamentos com 23; Sequeiro com 40. Totalizou-se, portanto, durante o mês de maio de 2015, 209 casos de trabalho infantil.

Trabalho infantil – É toda forma de trabalho realizado por crianças e adolescentes abaixo da idade mínima permitida, de acordo com a legislação de cada país. No Brasil, o trabalho é proibido para quem ainda não completou 16 anos, como regra geral. Quando realizado na condição de aprendiz, é permitido a partir dos 14 anos. Se for trabalho noturno, perigoso, insalubre ou atividades da lista TIP (piores formas de trabalho infantil), a proibição se estende aos 18 anos incompletos.

Dados – Quatro em cada 10 crianças vivem em situação de pobreza. Tal situação de vulnerabilidade as expõe ao trabalho infantil. O Brasil tinha a meta de erradicar, até 2016, as piores formas de trabalho infantil, mas ela não foi atingida. A mais recente PNAD do IBGE mostra que no Brasil há 2,672 milhões de crianças e adolescentes em situação de trabalho entre 5 e 17 anos. Em Pernambuco, houve aumento de 12% nesses números – antes, eram 109.000, e, atualmente, são 122 mil. Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), 85 milhões de crianças no mundo estão enquadradas nas piores formas. Esse número corresponde a 51% do total do trabalho infantil no mundo.

Assunto(s)
Criança e Adolescente
MPT em Pernambuco - Tel. (81) 2101-3238 - Email: prt6.ascom@mpt.gov.br
Conteúdo Complementar
${loading}